ESTUDO DA SEMANA: A CÓLERA, O EVANGELHO SEGUNDO O ESPIRITISMO

Grupo Fraterno André Luiz – GFAL

ESTUDO DA SEMANA: A CÓLERA, O EVANGELHO SEGUNDO O ESPIRITISMO

Barueri, 11 de fevereiro de 2015.

As atitudes coléricas estão muito ligadas ao nosso orgulho, muitas vezes, acontecem quando achamos que alguém feriu o nosso orgulho.

Muitos relacionamentos se rompem por atitudes impensadas. Não paramos para raciocinar, nos julgamos vítimas e no direito de dar o troco.

Falar em cólera é falar em pensamentos radicais, de ódio, de vingança. Será que isso é bom para a saúde? O corpo fica feliz? Pelo contrário, o sistema nervoso fica totalmente debilitado, a pressão se altera… Não é nada saudável.

É importante entender porque somos tão orgulhosos, porque julgamos não merecer certas coisas? Por exemplo, pra que dar o troco numa fechada no transito? Uma atitude como essa poderá causar um acidente. O arrependimento virá depois, mas, a ação estará feita.

Tudo são ações geradas pelo nosso modo de pensar.

Somos espíritos com milhões de anos que ainda não aprendemos algumas coisas. Jesus jamais demonstrou revolta. Precisamos desenvolver mais a aceitação, tendo certeza de que temos muitas características ruins, mas, também temos as boas.

Controlar os instintos é essencial.

Momentos de infelicidade muito nos preocupam. No entanto, não damos tanta ênfase às alegrias, não curtimos os bons momentos.

Dias tranquilos são comprometidos por 2 ou 3 minutos de negatividade. As vezes ficamos remoendo uma mesma situação por anos.

É preciso refletir sobre que companhia queremos atrair. Qual a importância de martelar os pensamentos e atitudes, sabendo que essa atitude aumenta nossa conta

com o Pai Maior. Será que no futuro não teremos como consequência dessa cólera mais coisas negativas?

A conta da justiça de Deus é a conta moral, ninguém se livra dela.

Precisamos ter cuidado com o quanto a gente prejudica ou machuca as pessoas. Ao mesmo tempo, saber que tudo que fizerem para nós é certo, é algo importante para nossa evolução. Tudo tem motivo. Analisando assim, teremos força para ir adiante sem sermos vingativos.

Jesus disse: à quem muito é dado, muito será cobrado.

Quanto mais rápido aprendermos a lidar com nossas dores melhor. Precisamos tentar nunca dar o troco e quando sentirmos que algo machuca, não devemos desejar ao outro.

Algumas dores servem para gravarmos o que só ouvimos falar, mas, não assimilamos.

Segurar as reações é outro fator importante. Se cometermos um ato colérico, tudo bem… Deus irá acertar as coisas. A missão do Pai é que cada um passe por determinada fase quantas vezes forem necessárias.

Quem sabe alguns aprendizados já nos foram oferecidos e não aproveitamos a oportunidade?

Ter um ato colérico contra uma pessoa, é agir contra um filho de Deus. Há dois mil anos atrás, Jesus ensinou: vamos amar o próximo.

Para aqueles que foram curados, Jesus disse: “– Vá, e não peques mais.”; provável que muitas dores eram consequências de atitudes erradas.

Precisamos lembrar que nossos entes queridos podem evoluir moralmente e precisaremos nos despedir deles se não acompanharmos.

O Carnaval esta chegando, durante muitos séculos foi uma festa boa e nas últimas décadas se tornou perigoso. É sinônimo de bebida, droga, promiscuidade. Muitas energias negativas rodam neste período. Até nos Centros pode haver influencias.

Muitas pessoas morrerão em acidentes, contrairão o vírus da AIDS, crianças serão concebidas, jovens conhecerão drogas, etc.

Vamos fazer coisas que sejam saudáveis. Não exagerar na bebida. O exagero significa alguma frustração, desequilíbrios psicológicos e emocionais.

Beber ou se drogar podem até dar sensação de alegria, mas, as consequências são sérias.

Se sentirmos que o ambiente é ruim, vamos evitar de permanecer nele.

Todos nós somos espíritos cheios de tendências, vamos refletir e buscar um jeito dos dias serem proveitosos, vamos valorizar os lugares, evitar tudo que é contra a moral, vencer as más influencias.

Vamos pensar no que queremos sintonizar.

Que o carnaval seja curtido com consciência para que estejamos fortalecidos depois do feriado.